As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


História dum inglês *humor*

Neca Rafael
Repertório de Neca Rafael

Costumo matar o tempo no café
Ou a ler, ou a escrever, mas certa vez;
Um rapaz, o Barnabé

Pôs-se a contar sem banzé
A história dum inglês

Eu vou fazer a reprise, vou contar
Mas não sei se sei ou não interpretá-la
Bom... um inglês estava a jantar
E viu andar a passear
um ratito lá p'la sala

Como ele comia sempre ali sózinho
Teve pró rato este gesto bem cortês
Molhou um bolo no vinho
Dando ao bicho com carinho
e falou-lhe em português

Não tenha susta bichinha pois tu tera
Um companheiro a an glose... oh yes... oh yes
Que quer-te ver a roera
E o rato tanto comera
que até do gato se esquece

Mais pão molhado no vinho, bem molhado
E o rato tudo comeu, tudo embalou
Mas daí por um bocado
O rato muito tachado
desta maneira falou

Oiça cá sôr inglês, eu estou-lhe grato
P'lo fartote que me deu, de pão e vinho

Agora sem espalhafato
Diga-me onde está o seu gato, q
uero escacar-lhe o focinho

Eu conheço figurões que são um luxo
Com quem posso comparar bem, tudo isto
Não se aguentam no repuxo
Mas com dois copos no bucho
até desafiam Cristo