- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Cabelo branco é saudade

Mote de José Ferreira / Glosa de Henrique Rego / Popular *fado das horas*
Repertório de Alfredo Marceneiro

Cabelo branco é saudade
Da mocidade perdida
Ás vezes não é da idade
São os desgostos da vida 


Amar demais, é doidice / Amar de menos, maldade
Rosto enrugado, é velhice / Cabelo branco é saudade

Saudades são pombas mansas / A que nós damos guarida
Paraíso de lembranças /
Da mocidade perdida
Se a neve cai ao de leve / Sem mesmo haver tempestade
O cabelo côr da neve / Ás vezes não é da idade

Pior que o tempo, em nos pôr / A cabeça encanecida
São as loucuras d'amor / São os desgostos da vida